quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Notícias de COP15 e Mudanças Climáticas

15-11-2009 Blog of Antonio Lombardi. Artigo sobre metas de redução de emissões, adotadas pelo Brasil. Titulo: Brasil,agora com metas. Será? Link

13-11-2009 Entrevista do O Eco com Marina Silva sobre a menor taxa de desmatamento na história Brasileira. Titulo: Com Chapéu dos outros Link

13-11-2009 Jornal Globo Amazônia. Titulo: Queda recorde no ritmo do desmatamento foi causada pela crise, diz especialista Link

12-11-2009 Blog de Miriam Leitão. Comentários políticos sobre notícias da menor taxa de desmatamento. Titulo: De arcos e circos: agora todos são verdes Link

11-11-2009 Blog de Altino Machado. Artigo sobre ação “Vote para o Planeta” da Rede WWF. Titulo: Brasil participa de ação mundial pelo clima Link

09-11-2009 Blog of Antonio Lombardi. Artigo sobre o governador Serra sancionando lei de mudanças climáticas e estabelecendo 20% de redução de emissões até 2020 Titulo: Novamente São Paulo Link

20-10-2009 Blog de Reubens Born. Artigo sobre a importância de Copenhagen 15. Titluo: Mudanças de clima: hipocrisia e verdades inconvenientes

04-06-2009 EcoDesenvolvimento.org. Artigo de informações básicas sobre mudanças climáticas. Titulo: Mudanças Climáticas Link

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Mr President, Show us your hand - Brazil´s Environment Politics prior to COP15

Saturday November 14th is D-day, as president Luiz Inacio da Silva (Lula) brings the mallet down on Brazil´s starting position for carbon reduction targets, leading into the 3rd week prior to Copenhagen 15.

After a disappointing start on the subject early last week, there now appears to be new cause for optimism as the government issued signals that Brazil will most likely adopt a voluntary target in the order of 40%, that being 20% from the already announced deforestation (80%) targets and a further 20% from energy related emissions, such as thermoelectric power plants and transport.

The signals are positive for a process crying out for leadership. Can Lula be the leader that makes the difference in Copenhagen? It seems he wants to be, having confirmed his presence early on and challenging other world leaders to do the same, stating in a recent interview to the Financial Times, “We may not reach an agreement because of a deficiency of global leadership”.

So what drives President Lula, one of the most popular presidents of actuality, commanding the 8th largest global economy, the 4th largest carbon emitter, on a wave of positive economic data? Certainly Copenhagen puts Lula yet again on the big stage, right where he wants to be, playing another hand in a diplomatic game that offers the possibility of a permanent seat on the UN Security Council, a place he believes Brazil belongs.

Also in the game is the perpetuity of his political party (PT) as he pushes his 2010 presidential candidate Dilma Rouseff front stage, as coordinator of the Brazilian delegation in Copenhagen. Dilma, an ex guerilla during the dictator years, is known for her technical and management merits, but lacks the charisma that drives Lula´s popularity. Lula’s strategy is to convince his allies to run a two horse race between Dilma and Jose Serra (Governor of São Paulo – PSDB), preventing a pulverization of votes and giving Dilma more possibility of entering the second round of voting.

In August of this year this strategy was dealt a major blow when PTs ex-minister of the environment and senator for the state of Acre Marina Silva, entertained an invitation from the green party to join them as a potential candidate for the 2010 presidential race. Marina had resigned as Lula’s environment minister (May 2008) after a series of clashes with none other than Dilma Rouseff (and others), that demanded flexibility on environmental approvals and questioned implemented measures to combat deforestation. Her resignation highlighted the divide between economic growth and environmental prudence, and marks the stage for many battles yet to come.

In the meantime Lula is bending over backwards to use every possible opportunity to link Dilma to the environment. First the nomination as coordinator of the Brazilian delegation in Copenhagen, then at this week’s announcement on deforestation reductions the environment minister Carlos Minc was substituted by no other than....oh what a surprise... Dilma! Interestingly, the figures for deforestation were very positive, in fact the best since measurements began in 1988 (46% reduction on last year) so it seems Brazil is living up to its promises. Amongst the good news was the acknowledgement that the largest deforestation increase was on the margins of the BR163 highway, the very same project that was the subject of tensions between Dilma and Marina before her resignation. As the BR163 was part of the government’s growth acceleration plan (PAC) Dilma became impatient with “excessive delays” in the liberation of the environmental license, considering Marina to be “holding up progress”. A little ironic that Dilma is now taking the credit for deforestation! Politic maneuvering...you´ve got to love it!! As one commentator put it, “Dilma does not fit with the environment, she´s a stranger on the subject”

These days nobody can ignore the green vote and President Lula is no different, evident in the way he is avidly working to pasteurize the accomplishments and capabilities of Marina Silva, while at the same time linking Dilma´s image to Brazil’s environmental efforts, nationally and internationally. Simultaneously Jose Serra, Governor of São Paulo (PSDB) and number 1 in the 2010 election opinion polls, is also marking his territory on the subject. At the beginning of the week while the government capitulated on targets, São Paulo passed a state law establishing 20% reductions until 2020. As Brazil’s industrial power house, São Paulo represents a significant share of carbon emissions and this law perhaps facilitates the work of the government in establishing targets for Copenhagen. Regardless if that’s true or not, it seems that Jose Serra has already guaranteed his comprehension of the subject and stamped his “trademark” efficiency on climate change, so as not be left behind in the race!.

The “wild card” entry of Marina Silva into the 2010 presidential race is the most significant evolution in Brazilian politics of recent times. Suddenly the discussion of environmental sustainability will permeate into what was to be a dull repeat of economic development platforms, forcing the other candidates to clearly define their positions and scramble after concrete proof of administrative competence in the area. As a renowned authority on the subject, Marina Silva will certainly command a quality debate on the challenges of converting to a low carbon economy.

Brazil can only stand to gain from this new healthy political infusion and whilst Lula’s blatant leverage on the back of the environment is painfully obvious, the good news is that his political ambitions are fortunately converging for a positive Brazilian participation in Copenhagen. A strong leadership role in Copenhagen will reap significant political benefits for President Lula both in Brazil and abroad, and so it remains for us to observe just how firmly and positively his representation can impact the process. As the country blessed with the guardianship of the Amazon, it is the bare minimum that Brazil deserves!

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Barcelona – Last Stop before Copenhagen, Brazil without resolve

The countdown to Copenhagen 15 is in its closing stages in Barcelona where the last rounds of talks, before December are under way. The meetings are tense with the African delegation standing up and walking out early in the week, frustrated with progress. Many sessions became “behind closed doors” leaving the “adopt a negotiator” and “350” representatives roaming the halls in search of precious novelties. In further developments the Australian Prime Minister Kevin Rudd alerted - “The upcoming climate negotiations in Copenhagen are threatened by a conglomerate of opponents “driven by vested interests” aiming “to erode just enough political will that action becomes impossible” http://bit.ly/11U02l.

On home ground, it was hoped that President Lula would announce its carbon reduction targets on Tuesday (3rd of November), an opportunity for Brazil to take a leading role (as in the Rio Earth Summit in 1992) in COP15 with a firm and audacious position. Unfortunately that was not to be, with President capitulating and deferring an announcement until November 13th. Somewhat of a letdown after the positive signals given by Carlos Minc, who consequently seems to have disappeared from the radar, perhaps to be found in some back room, gagged and red faced.

Dilma Rousseff, Lula´s presidential candidate, has been nominated as the coordinator of the Brazilian efforts in relation to Copenhagen, a wonderful opportunity for international exposure leading up to the elections in 2010. Rumor has it that Dilma will not bring anything new to the Brazilian position on November 13, other than the 80% deforestation target already announced. According to annex 1 of the Kyoto Protocol, developing nations are not obliged to abide by fixed reduction targets, a convenient technicality that is rumored Brazil will use to relinquish a possible leadership stance in favor of “watching what everybody else does”. As my father in law once said, Brazil is the land of the future……eternally.

Further Reading:
The following is a link to an article by Miriam Leitão, titled “Sem Rumo” (Portuguese) http://bit.ly/2APbnJ

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Meditação para o Planeta

By Graham Isaac Shannon @VistaBrazil


  • A mãe terra está se aquecendo, isto ocorre pela emissão de co2 e outros gases gerados pelo consumo de combustíveis fósseis.
  • Entre os dias 7 e 18 de dezembro os líderes mundiais estarão se reunindo em Copenhagen. (Cop15) para estabelecer um plano sucessor para o acordo de Kyoto de 1997.
  • Espera-se que neste acordo os países comprometam-se a atingir as metas de redução de CO2 de suas indústrias, numa tentativa de limitar o aumento da temperatura terrestre abaixo de 2°C, um nível que ainda poderia reverter as mudanças climáticas.
  • A falta de respeito como coletivamente tratamos nossa mãe terra é inaceitável, isto precisa mudar.
  • O que uma pessoa comum pode fazer, não sendo um político, um jurista, um negociador?
  • Meditar pelo planeta, a cada lua cheia até a data do encontro de Copenhagen. Meditar com o objetivo de sensibilizar os corações e mentes de nossos líderes mundiais e negociadores. Meditar para que eles tenham a intuição necessária para romper as barreiras políticas e agirem de forma a resguardar os interesses do planeta, a mãe terra, nossa casa, uma jóia brilhante e solitária que gravita na imensidão escura do espaço.
  • Outras maneiras de contribuir com este processo são mencionados no artigo a seguir:


Em 24 de dezembro de 1968 a história estava sendo escrita. Uma pequena espaçonave gravitou ao redor da superfície da lua e três homens observaram pela primeira vez na história da humanidade uma paisagem desértica. O módulo de órbita lunar tinha acabado de emergir do lado escuro da lua e o piloto Frank Borman estava ocupado manobrando a nave para posicionar as antenas de volta à terra. Enquanto a dirigia em posição vertical ele espiou através da pequena janela de seu cockpit e vislumbrou algo extraordinário, uma linda bola azulada envolta por uma névoa branca, aparentemente frágil e solitária diante da imensidão negra do espaço. Os três homens olharam espantados, temporariamente esquecendo de suas tarefas enquanto testemunhavam em primeira mão esta deslumbrante beleza, surgindo de forma contrastante no horizonte de uma paisagem acinzentada. Mais tarde naquele mesmo dia a tripulação da Apollo 8 comunicou-se com a terra e Bormam concluiu seu depoimento com a seguinte frase: “ nós finalizamos nossa mensagem desejando a todos uma boa noite, boa sorte, um feliz Natal e que Deus abençoe a todos - todos vocês que estão nesta boa Terra”. A imagem que William Alders capturou naquele dia (popularmente conhecida como o Raiar da Terra) nos dá uma visão única de nossa casa materna. Pela primeira vez, durante aquela viagem, nossa raça teve o privilégio de observar a sua beleza incomparável, sua fragilidade, irradiando através do espaço infinito, a sua expressão de amor incondicional.

Então vamos manter o Raiar da Terra em mente, no momento que contemplamos a vida humana 40 anos após aquela fotografia icônica. Hoje nós sabemos que em 1968, nosso planeta já apresentava problemas causados pela nossa presença, e agora estão exacerbados pelo fato que somos quase o dobro da população que éramos naquela ocasião (3,5 bilhões). A ciência nos diz que o principal problema que estamos encarando é o fato que a temperatura da terra começou a aquecer desde o início de 1900. Ela também nos diz que esta tendência de aumento ocorre pela quantidade de dióxido de carbono (e outros gases) que estão rapidamente acumulando-se na atmosfera, com a terra começando a reagir com perturbações climáticas cada vez mais freqüentes.

Poeticamente é uma analogia interessante comparar a velocidade do crescimento de dióxido de carbono com a média do período de vida de um ser humano. Nesta comparação (média de vida do ser humano - 75 anos, mãe terra – 10 milhões de anos) podemos assimilar que as mudanças planetárias em relação ao aumento dos níveis de CO2 (150 anos), ocorreram em um espaço de tempo de vida geológico equivalente a 35 segundos. Imagine uma doença física que aumentaria a temperatura do corpo humano e produzisse outras conseqüências sistêmicas em uma fração de 35 segundos. Seria avaliada como um fato sem precedentes, gerando um grande alarde e nós não economizaríamos em tempo e investimentos para pesquisar a causa e encontrar a cura. Voltando à realidade, a ciência já identificou a causa dos problemas da terra, a origem a qual todos nós fazemos parte. Enquanto cada um de nós andamos por aí cuidando de nossa sobrevivência cotidiana neste planeta, de forma inconsciente contribuímos para a doença que a está atacando. Em cada ato o qual nós consumimos recursos, essenciais ou não, nós criamos uma demanda por indústrias que produzem gases que estão aquecendo nossa boa terra. Quanto mais a gente consome mais nós contribuímos com esta situação.

É um fenômeno recente que a ciência que estuda as mudanças climáticas, começou a ser tratada com seriedade, os números são alarmantes e o relógio está avançando de forma ameaçadora. O grande desafio que a humanidade se depara neste século é provar que somos capazes de viver em harmonia com a mãe terra, contendo e reduzindo nossa poluição atmosférica ao trocar nossa matriz energética industrial por alternativas livres de emissão de carbono. O desafio é enorme, o tempo é curto e os riscos são altos

Então o que estamos fazendo a respeito? O problema com a atitude dos seres humanos é que nós não operamos como um, como seria o caso de uma equipe médica examinando uma pessoa doente. Somos países individuais, vivendo e poluíndo um planeta. Apesar de todos governarem seu próprio pedaço de terra, ninguém é responsável pelo todo, e conseqüentemente pela sua poluição. Entre 7 e 18 de dezembro deste ano, Copenhagen vai sediar a convenção das Nações Unidas para a mudança climática., popularmente conhecida como COP15. Este encontro pretende formalizar um acordo mundial na redução de emissões de carbono ao mesmo tempo em que irá discutir assuntos relacionados ao manejo e preservação das florestas da terra. Será o sucessor do acordo de Kyoto (1997), que foi previamente ignorado por grandes países poluidores, e que expira em 2012. Em relação a analisar os processos de sustentabilidade do nosso planeta é o evento mais importante do nosso século. Os assuntos são complexos, o caminho parece difícil e o objetivo distante, mas nós precisamos manter a fé para que os nossos líderes vejam além de suas ilusões políticas e de consumo para olhar para este pequeno planeta, girando ao redor do espaço com sua beleza.

Devido a importância de Copenhagen 15 nós estamos encorajando as pessoas que se sensibilizam com este assunto para se unir em meditação (ou oração) a cada lua cheia que precede o encontro. A cada meditação nós focaremos nossa intenção nos corações e mentes de nossos líderes e negociadores mundiais. Vamos meditar para que eles tenham a intuição necessária para romper as barreiras políticas e atuem pelo bem da mãe terra.

No início de cada meditação no momento em que a lua se ergue no horizonte nós te convidamos a trocar de lugar com ela, como se você estivesse vendo o Raiar da Terra. Isto vai fazer com que a gente veja a terra como ela realmente é, nossa casa, uma jóia solitária brilhando na escuridão profunda do espaço. Nós estaremos meditando pela Boa Terra e nós esperamos que você una suas forças conosco!

Se você necessita uma meditação adequada nós recomendamos a meditação dos corações gêmeos de Mestre Choa Kok Sui, disponível em várias línguas e formatos para download.http://tiny.cc/Meditate10

Para checar o momento da lua cheia em sua localidade acesse o link. http://tiny.cc/Moonrise

O que nós podemos fazer além da meditação?

  • Informe-se quais são as pautas que serão apresentadas em COP15 e formule suas conclusões.
  • Insista para que seus líderes estejam presentes em COP15.
  • Faça com que seus familiares, filhos amigos e colegas de trabalho fiquem informados a respeito do assunto.
  • Trabalhe para que o colégio de seus filhos e outras organizações sociais adquiram consciência sobre a questão.
  • Vote em sua eleição nacional de acordo com sua opinião em relação ao meio ambiente.
  • Como um consumidor seus hábitos tem um impacto direto.
  • Descubra qual é seu consumo de carbono (O que seu consumo produz em termos de emissão de carbono) Isto vai ajudar a priorizar suas ações.
  • Trabalhe para minimizar seu impacto na mãe terra.
  • Exija que seus fornecedores ofereçam produtos com baixa emissão de carbono
  • Use seu conhecimento em qualquer compra que fizer.
  • Pense duas vezes antes de consumir, você realmente precisa disto? Quando estiver em dúvida pense no despertar da terra para ajudar na sua decisão.
Considere ter uma família pequena.

Artigos e fontes de informação: